Histórias de Quarentena

Produção de mídia popular nas favelas
do Rio de Janeiro

Dinei Medina

Dinei Medina- Chapéu Mangueira

Olá, sou Dinei Medina. Moro no Chapéu Mangueira, sou guia de turismo e também trabalho na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa.

Estamos desenvolvendo esse trabalho com turismo nas favelas da Babilônia e Chapéu Mangueira desde 2008, um ano antes de a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) ter sido instalada aqui.

Histórias de distanciamento social do Dinei

O turismo foi afetado na conhecida região turística do Rio de Janeiro, como no bairro de Ipanema, com suas praias e tudo mais. Então dá para imaginar como está a situação dentro das favelas. Muitos moradores da favela trabalham na praia ou em outros lugares e estão trazendo essa doença para dentro da comunidade, dentro do nosso bairro.

Assista ao Trailer

Dinei Medina- Chapéu Mangueira

A UPP impulsionou o aumento o número de turistas que visitam favelas por causa da sensação de segurança. Organizamos passeios contemplativos e históricos.

Em nossos tours , oferecemos feijoada, shows de samba, oferecemos aquele contato humano caloroso pelo qual os cariocas são conhecidos! Como moradores dessa favela, também estamos

ajudando nossas favelas a acessarem políticas públicas.

Fazemos parte de uma iniciativa chamada 'Revolusonar' que nasceu em 2015. O objetivo do 'Revolusonar' é instalar painéis solares para gerar eletricidade dentro da favela. Já instalamos três painéis em dois hostels e uma instituição estadual, e oferecemos aos moradores cursos e capacitação para atuar nesse mercado.

Oferecemos cursos básicos de eletricidade gratuitos e, após a instalação dos painéis solares, ensinamos a como lidar com eles para criar melhores oportunidades de trabalho para essas pessoas. Por exemplo, instalamos um painel na escola pública Tia Percilia, no Chapéu-Mangueira, que vai economizar cerca de 6.000 reais por ano na conta de luz. Também estamos criando uma cooperativa que será a primeira cooperativa de favela do Brasil que promove e fornece o uso de energia solar. Instalamos uma usina de energia solar no telhado da associação de moradores da Babilônia que fornecerá energia elétrica para 30 casas por ano no Chapéu-Mangueira.

Pesquisamos 100 casas dentro da comunidade e estamos planejando a instalação de painéis nessas casas também.

Histórias de distanciamento social do Dinei Covid-19 Story 

Estamos enfrentando muitas dificuldades porque eles trabalham como autônomos, ganham pelo dia de trabalho, e todas essas atividades pararam. Eles estão passando necessidade e nós, em nossa comunidade, ajudamos a todos, assim como pessoas de outras áreas que estão morando aqui.

Além disso, o aluguel no Chapéu-Mangueira é muito caro, porque estamos a uma quadra da praia e nossos moradores estão com dificuldade de pagar o aluguel.

Sabemos que as autoridades brasileiras querem impor um bloqueio mais severo e sabemos que essa pandemia continuará por muito tempo.  

Porém, o brasileiro não se sente confortável com o isolamento social e para a nossa realidade, aqui dentro da favela, é ainda mais difícil respeitar esse tipo de medida. Como vamos confinar cinco pessoas em um apartamento de dois quartos? É muito difícil para nós respeitarmos isso e manter o isolamento social dentro de nossas comunidades.

Se você quiser saber mais sobre o Chapéu Mangueira ou agendar um tour, entre em contato comigo: